segunda-feira , 20 novembro 2017

No Recife habitação não é prioridade na gestão de Geraldo Júlio.

Por Felipe Cury

A grande promessa de campanha do prefeito do Recife, Geraldo Júlio ainda não saiu do papel. A urbanização da comunidade do Bode, localizada no bairro do Pina, Zona Sul da cidade, foi anunciada com muita repercussão na sua primeira disputa eleitoral em 2012.

Naquela campanha, o então candidato a prefeito, prometeu que na comunidade seriam construídos habitacionais e áreas de lazer para os moradores que residem ao lado da Via Mangue. No entanto, nada disso foi feito durante todo o seu primeiro mandato. Em 2016, a prefeitura cercou uma área do antigo terreno do Aeroclube e como informa a placa instalada no local, ali seriam construídos cerca de 100 apartamentos. Uma obra orçada em mais de 10 milhões de reais.

O projeto que previa inicialmente a urbanização da área, virou a construção de pouco mais de 100 unidades habitacionais que sequer saíram do papel. Até agora, não tem um tijolo colocado no canteiro de obras. Isso mostra bem como a política habitacional foi e é tratada pela atual gestão: prioridade zero. Apesar da promessa do prefeito, a construção de habitacionais , e em especial  na comunidade do Bode, não é prioridade para prefeitura do Recife.

Ao longo da administração de Geraldo Júlio, quatro secretários já passaram pela pasta de Habitação do Recife e nem os projetos recebidos da gestão anterior foram todos entregues. E a tendência é de piora, uma vez que a Secretaria de Habitação foi extinta na reforma administrativa, aprovada no início deste ano, virando uma Secretaria Executiva.

Mesmo a prefeitura tendo entregue 1336 apartamentos desde 2013 no Recife, o número está muito aquém da necessidade da população. O déficit habitacional estimado é de cerca de 60 mil moradias no Recife.

Somente no Bode, na gestão do PT, foram construídas cerca de 600 unidades habitacionais nos conjuntos Via Mangue I e II. Famílias que moravam em palafitas na área foram beneficiadas. Isso representa quase a metade do total entregue pela gestão do PSB. Na gestão de Geraldo também foi prometido um plano de habitação, que poderia prever a utilização de imóveis subutilizados na região central da cidade. Contudo, até o momento não tenho conhecimento se foi finalizado este plano e se houve participação popular na sua construção. Enfim, habitabilidade é e deve ser prioridade de qualquer gestão pública.

* Felipe Cury é ativista dos movimentos de Reforma Urbana. Foi Diretor de Planejamento e Articulação Social  da Secretaria de Habitação na prefeitura do PT. Atuou também na coordenação do Orçamento Participativo.