sexta-feira , 22 setembro 2017
PT 36 ANOS Lula, Marília e Bruno

MARÍLIA ARRAES

“… os governos que o PT teve na cidade fizeram a diferença”

Confira a entrevista  com a vereadora Marília Arraes, que se filia, nesta quinta(03), ao Partido dos Trabalhadores

Em entrevista concedida à Agencia PT de Notícias, Marília fala de suas discordâncias internas com o PSB, partido do qual é oriunda; dos problemas que surgiram muito antes de seu primo Eduardo Campos ser candidato à presidência e de sua identificação com bandeiras históricas do PT. A vereadora filia-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) nesta quinta-feira (3), com cerimônia realizada a partir das 18h, na Câmara Municipal do Recife. Durante a comemoração dos 36 anos do PT, no Rio de Janeiro, no último sábado (27), Marília teve sua ficha de filiação abonada pelo ex-presidente Lula, presidente de honra do partido.

Para Felipe Cury, Secretário de Organização do PT Recife “a chegada da vereadora Marília Arraes é vista de forma positiva. Como um ótimo quadro político que vem somar entre as fileiras do PT. Uma vereadora da cidade que vem tendo uma atuação parlamentar importante no Recife. Uma militante política que tem na sua origem a defesa da democracia e de combater as desigualdades sociais vai ser uma companheira que irá somar ao lado da nossa bancada parlamentar na Câmara de Vereadores”, afirmou. O dirigente reiterou, ainda, a importância do trabalho realizado pelas gestões petistas, também ressaltado pela vereadora na entrevista: “Marília é muito bem vinda ao partido que na sua trajetória e na de seus governos, em específico no de Recife, transformou a vida das pessoas desta cidade para melhor”.

Marília Arraes participou da festividade dos 36 anos do PT ao lado de representantes do partido como o presidente da legenda, Rui Falcão; o Presidente do PT-PE, Bruno Ribeiro; a Secretária de Organização do PT-PE, Sheila Oliveira; o secretário de Direitos Humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy e o prefeito da capital paulista, Fernando Haddad.

 

Agência PT – Por quais motivos você resolveu sair do PSB e se filiar ao PT?
Marília Arraes – Sou militante do PSB há muitos anos, fui eleita duas vezes vereadora do Recife, mas venho discordando dos rumos que o partido tem tido, principalmente porque foi uma guinada à direita.  Minha decisão de me filiar ao PT foi pelo fato de o PT ser o maior partido de esquerda do Brasil e a gente precisar realmente manter o Brasil no rumo que começou a ser tomado 13 anos atrás. Então, é importante a gente fortalecer essa luta, que é uma luta grande, num momento difícil do País, mas esperamos crescer na adversidade.

Marília Arraes e LulaAGPT – Como você espera contribuir com o PT?
MA – Espero contribuir principalmente na minha cidade, lutando para que a democracia volte a acontecer no Recife e em Pernambuco. E também para colocar em prática as bandeiras de esquerda, as conquistas sociais que já foram alcançadas, para que a gente não deixe que o retrocesso volte a reinar no Brasil e, principalmente, em Pernambuco.

AGPT – Como foi o processo de afastamento do PSB? Você tinha divergências com Eduardo Campos e já externou esses problemas anteriormente. 
MA – Minha discordância interna com o PSB já vem de muito antes de eu ter publicizado essa discordância. 2014 foi só o ápice dos desencontros de opiniões entre a direção do PSB e as minhas. A gente vinha tentando discutir internamente, mas no PSB em Pernambuco não havia instâncias internas para que a gente discutisse, expusesse as opiniões, o partido virou meramente um homologador das decisões que vinham de cima, de Eduardo Campos.

Eu discordei do que foi feito para que ele conseguisse ser candidato à Presidência, alianças com as forças mais retrógradas do Brasil, como exemplo a família Bornhausen, Heráclito Forte e outras figuras nacionais que pra gente representam um retrocesso e algo completamente incoerente com a história do partido.  Então, foi aí que eu comecei a publicizar as minhas discordâncias, demorei um tempo para definir qual seria o caminho que eu tomaria, apesar de as conversas com o PT virem há dois anos.

AGPT – Quais são as bandeiras do PT com as quais você mais se identifica e que fazem essa ligação entre você e o partido?
MA – A principal bandeira do PT que me faz acreditar que a gente tem que lutar para que o partido se mantenha firme é a distribuição de renda, a luta contra a desigualdade.  Essa já era uma luta de Miguel Arraes quando nem se falava em certas coisas que a gente vê hoje em dia. Isso é o que a gente tem que priorizar hoje no Brasil. Recife é a cidade mais desigual do Brasil. Lá a gente vê o quanto os governos que o PT teve na cidade fizeram a diferença para a vida do recifense de todas as classes sociais. Mudou, realmente, a vida da cidade e a gente vê a falta que faz uma política implementada pelo PT. Sem dúvida alguma esse foi o principal motivo por eu ter escolhido o PT. É importante que a gente lute para que a gente continue nesse caminho.

 

Entrevista realizada por Mariana Zoccoli, da Agência PT de Notícias

Foto de abertura da entrevista : Stuckert

Matéria completa em www.pt.org.br